Navigation Menu

“Meu nome é Bagdá” divulga seu trailer internacional exibido no Festival de Berlim



Por Victoria Hope

O cinema nacional respira! “Meu Nome é Bagdá”, vencedor do Grand Prix da mostra Generation 14plus no Festival Internacional de Cinema de Berlim (Berlinale) deste ano, acaba de divulgar o seu trailer internacional,  produzido pela Reel Suspects, agente de vendas do filme fora Brasil.

Dirigido por Caru Alves de Souza e produzido por Rafaella Costa (Manjericão Filmes), o longa retrata o cotidiano da jovem skatista Bagdá, interpretada por Grace Orsato, na cidade de São Paulo.

Neste enredo, ela encontra apoio familiar e empoderamento feminino, mas também assédio sexual, preconceito e machismo.

Carú (Diretora), Grace (Bagdá) e Karina Buhr (Micheline) / Divulgação

No Brasil, o filme é distribuído pela Pagu Pictures e está previsto para estrear no primeiro semestre de 2021. Confira o trailer aqui: https://www.youtube.com/watch?v=iKpht6trqyA

0 comments:

'R#J': A nova adaptação moderna de Romeu e Julieta está em produção



Por Victoria Hope

Ótimas notícias para quem ama os clássicos de Shakespeare. Romeu e Julieta vai ganhar um novo filme em uma versão moderníssima no ano que vem. A atriz Francesca Noel de Selah And The Spades e Cameron Engels foram escalados para protagonizar o longa com direção de Carey Williams.

Chamado R#J,  o filme será uma versão contemporânea do amor proibido entre dois jovens de famílias distintas, dessa vez com um twist voltado às redes sociais do século 21. No elenco, RJ Cyler, de Power Rangers, interpreta 'Benvolio', Siddiq Saunderson de Wu Tang: American Saga, dá vida ao Mercutio e Diego Tinoco de On My Block', vive Tybalt. 

Diferente da peça, a história irá se passar no estado da Louisiana, com um vocabulário que será uma mistura da fala local com as frases melódicas de Shakespeare, para se manter fiel aos diálogos da peça original, mesmo que ela tenha essa versão mais 'digitalizada'. 

O filme ainda está em produção, porém, não se sabe  ainda a data de lançamento, principalmente devido ao isolamento pelo qual o mundo inteiro está passando nesse momento.

0 comments:

Último episódio de Homeland chega à Fox Premium nessa segunda feira



Por Victoria Hope

Chegou a hora de dizer adeus, Homelanders. Nesta segunda (27/04) vai ao ar o último episódio da série HOMELAND, que encerra sua última e oitava temporada com um histórico de sucesso. Vai ao ar no FOX Premium 2 e também entra no App da FOX para assinantes Premium. Também está no streaming da FOX todas as temporadas anteriores.

Na segunda às 20h50, o FOX Premium traz para o Brasil com exclusividade o episódio final da consagrada série “Homeland”, que se despede do público em sua oitava temporada. A produção sobre política internacional, agentes, espiões e terroristas, que foi vencedora em várias categorias do Emmy® e do Globo de Ouro®, e conquistou milhões de fãs em todo o mundo, chega ao fim com um histórico de grande sucesso.

O último episódio apresentará Carrie Mathison (Danes) em uma das missões mais desafiantes de sua vida: decidir se termina o trato com os russos e, ao mesmo tempo, derruba seu mentor e amigo Saul (Mandy Patinkin) para salvar o mundo de uma potencial guerra nuclear.

Composta por doze episódios de uma hora cada, todos os episódios da oitava temporada estão disponíveis no App da FOX para assinantes, assim como o último, que entra no catálogo logo após sua estreia na TV. A temporada conta com Danes e Patinkin acompanhados de Maury Sterling (“The A-Team”), Linus Roache (“Law and Order”), Costa Ronin (“The Americans”), Nimrat Kaur (“Wayward Pines”) e Numan Acar (“Prison Break”).

Homeland / Fox Premium

SOBRE A SÉRIE

Desde sua estreia, em setembro de 2011, "Homeland" conseguiu mostrar ao público uma história complexa com várias linhas narrativas através dos olhos de sua protagonista que é incorreta porém brilhante, Carrie Mathison (interpretada pela três vezes vencedora do Emmy®, Claire Danes).

Esse thriller de espionagem, cuja narrativa se desenrola no atual cenário geopolítico, transportou os seus espectadores para as prisões sombrias de Bagda (Iraque), para as ruas de Beirute (Líbano), para atravessar a cordilheira entre o Iraque e o Irã, os becos de Langley (EUA), os salões do poder em Washington D.C. (EUA) e as temidas ruas de Islamabad (Paquistão), entre outros cenários emocionantes e perturbadores.

0 comments:

Niles Nitch será o primeiro príncipe negro da Disney



Por Victoria Hope

Finalmente os pedidos de tantos fãs  negros irá ser realizado pelos estúdios da Disney. O ator norte americano Niles Fitch, de 18 anos, interpretará o primeiro príncipe negro de um live-action da Disney. Ele fará o papel do Príncipe Tuma em “Secret Society Of Second-Born Royals”, um filme de ficção científica que está sendo produzido para o serviço de streaming Disney +. As informações são da CBSNews.

Se você é apaixonado pela série This is Us, com certeza já viu esse rostinho, por Niles sempre interpreta o personagem Randall Pearson durante sua adolescência na história.

A novidade foi compartilhada pelo ator em suas redes sociais, com o recado orgulhoso de “Bem-vindo, primeiro príncipe preto da Disney". Esse é apenas um pequeno passo para os estúdios  que estão há mais de 100 anos com milhares de produções distintas, mas fãs estão animados para novas produções mais diversas que estão por vir no streaming e nos cinemas. 

Primeira imagem promocional da série / Disney Plus 

0 comments:

'Queer Coding' e a verdade sobre vilões LGBT no entretenimento



Por Victoria Hope

Já se perguntou o motivo pelo qual você ama vilões e muitas vezes consegue se identificar mais com eles do que com os heróis das tramas? Se você for LGBT, com certeza se identifica ainda mais, porém existe um motivo real por trás disso e vamos falar dele por aqui.

Existem centenas de artigos, matérias e editoriais inteiros falando sobre o problema de tantos vilões, principalmente de mídias infantis como animações, serem sempre retratados com 'traços gays', numa tradução livre do termo. 

Por um lado, é triste pensar que muitas crianças LGBT se veem nesses vilões que foram escritos justamente como chacota, como formas de 'envergonhar' todo o grupo, afinal, os vilões representam o mal e muitas vezes isso pode acabar associando a imagem de LGBTs com um desejo pelo perigo ou por burlar a lei. 

Isso tudo é verdade, mas tem um lado que talvez muitos não saibam. Grande parte dos vilões 'queer coded' de estúdios como a Disney, por exemplo, eram desenhados e escritos por artistas LGBT dentro da indústria, que achavam no vilão, a única forma de inserir uma pequena 'representatividade' ali. 

Úrsula de 'Pequena Sereia' / Disney

Foi o caso de vilões como a icônica Úrsula de 'A Pequena Sereia'. A personagem foi desenhada em homenagem à drag queen Divine, que muito antes do filme, era uma grande amiga de Howard Ashman, que fazia parte da equipe de produção do filme e escreveu as músicas de toda a animação, além de Rob Minkoff, que também conhecia a performer da cena noturna LGBT.

Essa foi uma forma de ambos inserirem uma figura divertida e muito importante para o grupo, sem que isso ficasse nítido para a audiência leiga. Naquela época, quem era adulto e LGBT com certeza reconheceu a figura, mas as crianças e seus pais provavelmente não reconheceram.

Muitos sabem que os estúdios queriam o efeito contrário. Na trama, personagens como Scar, Úrsula, Hades entre muitos outros, estavam ali para representar o mal, a traição, 'coisas' que deveríamos 'abominar', mas o 'problema' é que não foi isso o que aconteceu.


Equipe Rocket de Pokemon / Cartoon Network
O que era pra ser um ataque à indivíduos da comunidade LGBT, teve efeito contrário, pois rapidamente esses vilões se tornaram um 'espelho'. Toda estética e estilo de vida desses personagens evocava uma aura de poder, unido à roupas espalhafatosas e personalidades fortes, onde esses antagonistas ignoravam as regras ditadas pela sociedade.

Ser um vilão, significava rejeitar completamente todos os dogmas e conceitos daquela sociedade para viver à sua maneira e isso é algo que todos os vilões pregavam, logo, o público marginalizado, desde a infância, passou a se identificar com esse conceito.

Em um dos nossos artigos, já comentamos a importância de crianças se verem na mídia e mesmo que vilões LGBT não sejam a representatividade ideal, é impossível dizer que essas crianças não se sentem representadas e 'empoderadas' por esses personagens.


Catra e Adora de 'She-Ra' / Netflix 
Ao invés do público rejeitar esses vilões, eles os abraçaram, se sentiram acolhidos por essa representatividade, por mais 'negativa' que ela fosse. A maioria dos vilões de animação e filmes não possuem características que possa os redimir, mas esse é o ponto, um vilão não precisa ter um arco de redenção e é nessa hora que surge a importância da separação entre vida real e ficção. 

Catra, por exemplo, na nova versão de She-Ra, continua sendo a vilã e mesmo que nós tenhamos certa 'empatia' por ela, em nenhum momento a animação protege a personagem das coisas erradas que ela faz, muito pelo contrário. 

Claro que temos um primeiro momento onde ainda vemos que ambas Catra e She-Ra nutriam uma amizade a conforme a trama engrossa, notamos que Catra sente algo além de amizade pela protagonista, mas esse amor logo se torna 'raiva' e por ser rejeitada desde nova, a vilã tenta de todas as formas agradar os vilões para 'ter um lugar ao sol'. 


Loki, Ozymandias e Mística / Marvel | DC Comics | Marvel

Nem sempre vilões queer-coded eram LGBTs, mas alguns eram abertamente não-héteros nos quadrinhos, por exemplo, e muita gente cresceu lendo e se identificando com esses personagens, como Loki de Thor, o Ozymandias de Watchmen e a própria Mistica de X-Men (além de uma série de outros personagens da saga). 

É importante lembrar que nem todos amavam esses personagens e grande parte desses antagonstas possuía requintes de crueldade e é aqui onde mora o perigo de colocar todos os vilões ou os principais vilões e anti-heróis como LBGTS. 

Quando essa 'demonização' se torna um padrão para a representatividade na mídia, sem que haja uma representação LGBT positiva e genuinamente 'heróica', a tarefa de fazer com que pessoas não LGBTs simpatizem mais com os personagens e pessoas assim, se torna bem mais difícil. 

Coringas / DC Comics 
Quando falamos em queer-coding e quadrinhos, é impossível não falar dele, o Coringa, um dos vilões mais amados e simultaneamente odiados pelos fãs de HQs e cinema. Um dos personagens mais complicados e assustadores na história da DC, tem uma origem que é um mistério, mas isso não faz dele menos 'icônico'.

Vale lembrar que icônico aqui é usado como forma de dizer que ele se tornou um ícone para a mídia, o que não deixa de ser verdade. Assim como seu arqui-inimigo, Batman, Coringa teve diversas interpretações no cinema e na televisão, ganhando até seu próprio filme de origem ano passado.

O primeiro ator a interpretar o Coringa, foi Cesar Romero, um ator cubano e gay, que em sua juventude foi considerado um verdadeiro galã. A risada icônica que conhecemos partiu dele, assim como a atitude do personagem.

Cezar Romero  na juventude / Cezar na série clássica de Batman em 1966

Em um trecho de uma rara e antiga entrevista, há uma fala do ator (Cesar) dizendo que interpretar Joker na primeira adaptação dos quadrinhos em 1966 foi algo muito importante, pois ele finalmente poderia agir de forma mais livre e 'raunchy' (termo usado para dizer atrevido (a). Confira o vídeo.

O Coringa dos quadrinhos sempre foi representado como uma figura espalhafatosa, dramática e exagerada; um vilão sempre era visto como apaixonado pelo arqui-inimigo Batman, porém essa paixão era doentia. 

Em nenhum momento dos quadrinhos ou das adaptações do personagem, as ações do Coringa foram redimidas, muito pelo contrário. Somos levados a amar e odiar o personagem ao mesmo tempo, assim como temê-lo por ser uma figura completamente imprevisível e fascinante. 

Joker / Warner Bros.

Para fechar essa análise, não poderia deixar de falar sobre o Coringa vencedor do Oscar em 2019, interpretado por Joaquin Phoenix. 'Mas Vicky, esse Coringa era hétero, ele perseguiu a menina'. Sim, ele fez todas essas coisas, mas se lembra do comecinho desse texto, onde comentamos que nem sempre vilões queer-coded eram LGBTs?

Em uma conversa com Charles Pullman, editor do I9 Gizmodo, falamos sobre o Coringa e sobre Cesar Romero, Heath Ledger e por fim, Joaquin Phoenix. Enquanto conversávamos, surgiu algo como 'Você também sentiu queer codes no novo filme do Coringa?'

Rimos inicialmente, mas depois paramos para analisar todo o filme. Olhando pelo lado de fora, Arthur era um stalker, ele tinha 'fantasias' com aquela mulher desconhecida, mas ao mesmo tempo, de forma extremamente subjetiva, a trama (ou o próprio Joaquin), uniram a questão de saúde mental do personagem, junto com a seu comportamento violento e por fim, sua inabilidade em performar a masculinidade tradicional para criar essa 'persona'.

Joker / Warner Bros. 
Queer coding não é apenas sobre a sexualidade dos personagens, aliás, muitas vezes não é sobre isso, é sobre a performance, os gestos, trejeitos estereotipados que a sociedade heteronormativa vê dentro da comunidade LGBT (sem conhecê-la, vale ressaltar).

Em 'Coringa', acompanhamos a evolução de um rapaz fisicamente e emocionalmente fragilizado para um vilão que se empodera através das roupas e da maquiagem. Uma figura espalhafatosa que quer destruir as figuras de poder em questão (leia-se, pessoas ricas de Gotham). 

Notamos em algumas cenas do filme que Arthur se pegava admirando no espelho diversas vezes enquanto aplicava maquiagem; ele era delicado com a arte de se maquiar, diferente de seus colegas de trabalho que só passavam borrões na cara e e mal faziam a barba. 

Cenas deletadas de 'Coringa' / Warner Bros

Arthur tinha uma relação muito próxima à mãe, o que a mídia sempre representou como um sinal de queer-coding, assim como era mostrada a relação entre Norman Bates e sua mãe em 'Psycho'. Em um momento de 'Coringa' quando Arthur finalmente se despe da máscara convencional e se sente seguro, ele dança graciosamente, tal qual um bailarino.

Por fim, quando ele finalmente se 'empodera', Arthur passa a usar roupas berrantes, coloridas, que contrastam completamente com o visual cinza dos patriarcas Murray e Thomas Wayne. Ele se distancia visualmente de ambos os personagens, rejeitando aquele conceito ou 'dogma' da masculinidade e durante sua primeira entrevista, em um momento sua voz falha e ele passa a mostrar seu verdadeiro 'eu'. 

Joker não é gay ou bi, ou melhor dizendo, sua sexualidade é um enigma assim como sua origem desde sua primeira aparição nos quadrinhos, mas pensando em esteriótipos péssimos que sempre foram perpetuados pela mídia, temos uma figura com um pesado queer-code na mídia. 

É impossível se identificar com Joker... Agora, com Arthur Fleck? Talvez, principalmente por ele ser uma figura marginalizada.  Sim, nós podemos nos sentir assim também, mas já está mais do que na hora da indústria incluir representatividade positiva ao invés de adicionar apenas vilões nesse grupo.

0 comments:

Netflix | Adaptação do best seller 'Valéria', de Elísabet Benavent, ganha trailer oficial


Por Victoria Hope


Essa notícia vai deixar os leitores  e fãs de romance com coração bem quentinho. Valéria (Diana Gómez), Lola (Silma López), Carmen (Paula Malia) e Nerea (Teresa Riott) viram personagens de carne e osso no trailer oficial de Valéria, adaptação para a televisão dos romances de Elísabet Benavent, com estreia programada para o dia 8 de maio na Netflix.

Maxi Iglesias e Ibrahim Al Shami completam o elenco desta nova ficção, na qual interpretam, respectivamente, o misterioso Victor e o marido de Valéria, Adrián.

Dirigida por Inma Torrente e Nely Reguera, a adaptação foi realizada por María López Castaño, que também é a criadora da série, juntamente com Aurora Gracià, Almudena Ocaña e Fernanda Eguiarte. Valeria é uma produção da Plano a Plano para Netflix.

Sobre Valéria 

Valéria é uma escritora em crise tanto com seus romances quanto com seu marido e com a distância emocional que os separa. Ela se refugia em suas três melhores amigas: Carmen, Lola e Nerea, todas imersas em um turbilhão de emoções sobre amor, amizade, ciúme, infidelidade, dúvidas, desgostos, segredos, trabalhos, alegrias e sonhos sobre o futuro.


Amigas para sempre. Ou será que... / Netflix 

Assista ao trailer:


0 comments:

Remake de 'Duna' ganha primeira imagem oficial com Timotheé Chalamet



Por Victoria Hope

A nova versão do icônico best seller 'Duna' ganha primeira foto oficial. A imagem traz Timothée Chalamet como Paul Atreides , o protagonista da história. Esse é um dos remakes mais antecipados do cinema no ano de 2020 e sem mesmo ter sido lançado, o longa já está no párea de possíveis indicações ao Oscar do ano que vem.

Para quem não conhece, o longa é uma adaptação do clássico da literatura escrito por Frank Herbert e também um remake do filme de 1985 dirigido pelo David Lynch.

Na história, acompanhamos Paul Atreides e sua família, que toma o controle do planeta Arrakis. Os cidadãos do lugar passam a contestar a influência dos novos governantes e então uma trama que trata de política, religião e a relação do homem com a natureza passa a se desenrolar.

Primeira imagem oficial do filme / Warner Bros

Tanto o livro quanto o filme clássico foram precursores da 'criação' de tecnologias futurísticas, como por exemplo, a inteligência artificial, computadores  e celulares entre muitas tecnologias que utilizamos hoje, mas que há 50 anos eram impossíveis de imaginar.

O elenco do filme conta com Timothee Chalamet, Stellan Skarsgard, Rebecca Ferguson, Dave Bautista, Charlotte Rampling, Javier Bardem, Zendaya, Jason Momoa e Oscar Isaac.

A nova adaptação cinematográfica de Duna comandada pelo icônico Denis Villeneuve e tem estreia prevista para 17 de dezembro de 2020 no Brasil.

0 comments:

Conheça o restaurante temático de Edgar Allan Poe em Maryland nos EUA



Por Victoria Hope

Quer dizer que você é fã do escritor Edgar Allan Poe e adora o universo gótico? Então esse restaurante é perfeito para você! Aberto no começo desde 2007, em Maryland, Estados Unidos, o Annabel Lee Tavern é um restaurante temático criado em homenagem ao icônico escritor de terror. 

Com um ambiente completamente inspirado no universo do poeta, é possível notar que até mesmo o nome do restaurante faz referência ao último poema escrito por Edgar e o cenário temático é perfeito para encontrinhos góticos.

A simples, porém charmosa entrada do restaurante já cria o mood logo na entrada, que fica localizada em uma travessa entre a South Clinton e Fleet Street no bairro de Baltimore. Logo na parede, é possível ler o trecho de algumas palavras de Poe '...De uma nuvem soprar um vento
e a bela Annabel Lee congelar.'


Fachada do restaurante / Annabel Lee Tavern
Além do cenário especial, a taverna também promove leituras de alguns dos poemas mais icônicos do autor,  sempre na data de 19 de Janeiro, que marca o aniversário dele, com acompanhamento de uma banda de violinistas e pianistas. 

É um prato cheio para fãs de literatura e de cultura gótica que querem ter uma experiência diferente enquanto estiverem passando pela cidade. O dono do restaurante também encoraja fãs de cultura dark a promoverem encontros e aniversários no local. 

Quanto aos preços, eles variam de $7 dólares à $60, dependendo da escolha do cardápio, lembrando que eles oferecem também um menu exclusivo de drinks, com preços diferenciados, principalmente por conta dos copos personalizados. 

Drinks personalizados / Annabel Lee Tavern
Copos personalizados da Taverna / Annabel Lee Tavern
Um dos pratos servidos no menu / Annabel Lee Tavern

Alguns dos ambientes da taverna / Annabel Lee Tavern

Para visitar o local, é preciso marcar uma reserva com um bom tempo de antecedência, já que a lista de espera é enorme, porém, devido ao momento que o mundo inteiro está passando, o restaurante no momento apenas aceita pedidos de entrega. 

Quer conhecer um pouco mais sobre o Annabel Lee Tavern? Então siga o restaurante nas redes sociais e no site oficial

0 comments:

Disney revela calendário de lançamentos dos seus próximos filmes



Por Victoria Hope

Muita gente sabe que diversos títulos passaram por alteração  de datas devido a situação que passamos. Pensando nisso, a Disney liberou o calendário completo de todos os seus lançamentos para esse ano e para o ano que vem. Confira a lista na íntegra.



Soul 
Título em português: Soul
Data de lançamento: 25/jun/2020 

Mulan 
Título em português: Mulan 
Data de lançamento: 23/jul/2020

Empty Man 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 06/ago/2020 

The One and Only Ivan 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 13/ago/2020 

The Beatles: Get Back 
Título em português: N/A
Data de lançamento: 03/set/2020 

The King’s Man  
Título em português: King’s Man: A Origem 
Data de lançamento: 17/set/2020 

Death on the Nile 
Título em português: Morte No Nilo 
Data de lançamento: 08/out/2020 

The French Dispatch 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 15/out/2020 

Everybody's Talking About Jamie 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 22/out/2020 

Black Widow 
Título em português: Viúva Negra 
Data de lançamento: 29/out/2020

Deep Water 
Título em português: N/A
Data de lançamento: 19/nov/2020

Free Guy  
Título em português: Free Guy: Assumindo O Controle 
Data de lançamento: 10/dez/2020 

West Side Story 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 17/dez/2020 

Raya and the Last Dragon  
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 07/jan/2021 

The Eternals 
Título em português: Os Eternos
Data de lançamento: 11/fev/2021 

Ron's Gone Wrong  
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 25/fev/2021 

Shang-Chi And The Legend Of The Ten Rings 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 29/abr/2021 

Cruella 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 03/jun/2021 

Jungle Cruise 
Título em português: Jungle Cruise 
Data de lançamento: 29/jul/2021

Hamilton
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 14/out/2021 

Doctor Strange in The Multiverse Of Madness 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 28/out/2021 

Avatar 2 
Título em português: N/A 
Data de lançamento: 16/dez/2021 

0 comments:

'Resgate' com Chris Hemsworth ganha trailer oficial da Netflix




Por Victoria Hope


Saudades dos Irmãos Russo e do Chris Hemsworth? Então temos uma notícia ótima para você. O ator e os produtores Joe e Anthony Russo estão de volta nesse novo filme de ação da Netflix.

O destemido mercenário Tyler Rake (Chris Hemsworth) não tem nada a perder quando é recrutado para resgatar o filho de um chefão do crime internacional. O menino foi sequestrado. O pai está preso. O submundo sinistro dos traficantes de armas e drogas torna a missão quase impossível. Uma coisa, porém, é certa: depois disso, Rake e o menino jamais serão os mesmos. 

Com direção de Sam Hargrave, Resgate é um thriller cheio de ação, com produção da AGBO Films e da TGIM Films, Inc. Os produtores são Joe Russo, Anthony Russo, Mike Larocca, Chris Hemsworth, Eric Gitter e Peter Schwerin.

'Resgate' / Netflix 

O filme chega ao streaming no dia 24 de Abril. Confira o trailer:







0 comments: